25/08/2019

RESENHA #37 - “A PARÁBOLA DO SEMEADOR” - OCTAVIA E. BUTTLER


LIVRO:  “A PARÁBOLA DO SEMEADOR”
TÍTULO ORIGINAL: “PARABLE OF THE SOWER”
SÉRIE: ‘A PARÁBOLA DO SEMEADOR’
VOLUME 1
AUTORA: OCTAVIA E. BUTTLER
TRADUTOR: CAROLINA CAIRES COELHO
EDITORA: MORRO BRANCO
 PÁGINAS – 432
  EDIÇÃO 2018
CATEGORIA: LITERATURA AMERICANA
ASSUNTO: FICÇÃO DISTÓPICA
ISBN: -  978-85-9279-539-9

A Parábola do Semeador

CITAÇÃO:

“Nunca senti que estava inventando nada disso – nem o nome, Semente da Terra, nem nada relacionado. Ou seja, nunca senti que fosse algo diferente da realidade: descoberta em vez de invenção, exploração em vez de criação. Gostaria de poder acreditar que tudo foi sobrenatural e que tenho recebido mensagens de Deus. Mas não acredito nesse tipo de Deus. Só observo e faço anotações, tentando organizar as coisas de modos que sejam fortes, simples e diretos quando eu os sinto. Não consigo fazer isso. Tento, mas não consigo. Não sou tão boa assim como escritora nem poeta, nem com nada que preciso ser para isso. Não sei o que fazer a esse respeito. Às vezes fico desesperada. Estou melhorando, mas muito devagar.” (pág. 101)

ANÁLISE TÉCNICA:

-CAPA-

Toda verde com uma planta rodeada por um círculo de fogo branco e ao lado um cidade destruída.
Apesar de achar a capa bem simples para uma distopia, é bem condizente com o enredo.
Design da capa: MECOB
Projeto gráfico e adaptação da capa: Luana Botelho
Imagens da capa: @Shutterstock.com

NOTA: 4,00 DE 5,OO

-DIAGRAMAÇÃO:

As folhas são aparelhadas com letras pretas e algumas páginas são pretas com letras brancas, algumas tem desenho de folhas brancas.
Conteúdo: desenhos; índice; dividido em anos (de 2024 à 2027), com pensamento do início dos capítulo referente a Semente da terá e todos são datados de forma crescente; uma conversa com Octavia E. Butler; e, Questões para discussão.
Acompanhamento editorial: Giovana Bomentre.
Imagens internas: @RuluByArt
Diagramação: Desenho Editorial.
Acabamento: Brochura
Peso: 444g

NOTA: 4,50  DE 5,00

- ESCRITA:

A narrativa é descritiva em primeira pessoa pela protagonista principal com diálogos concorrentes que complementam a narrativa e pensamentos referentes a SEMENTE DA TERRA.
A linguagem é de fácil entendimento, embora existam alguns termos diferenciados de outras culturas, fáceis de serem compreendidos na decorrência da leitura.
Preparação: Taíssa Reis.
REvisão: Mellory Ferraz.

NOTA: 4,50 DE 5,00

CITAÇÃO:

“Só quando o sangue parou de escorrer que me senti mais segura. O coração do homem tinha bombeado toda a vida para o chão. Ele não poderia recobrar a consciência e me envolver em sua dor.” (pág. 234)


SINOPSE:

“Quando uma crise ambiental e econômica leva ao caos social, nem mesmo os bairros murados estão seguros. Em uma noite de fogo e morte, Lauren Olamina, a jovem filha de um pastor, perde sua família, seu lar e se aventura pelas terras americanas desprotegidas. Mas o que começa como uma fuga pela sobrevivência acaba levando a algo muito maior: uma visão estonteante do destino humano ... e ao nascimento de uma nova fé.”

CITAÇÃO:

“A única defesa real contra o fuzil automático é se esconder e fazer silêncio.” (pág. 314)

“Não disse mais nada sobre armas e não pediu desculpas. Claro que não nos deixou. Para onde iria? Era um escravo fugido. Nós éramos a melhor coisa que ele tinha encontrado até então – o melhor que ele encontraria enquanto tivesse Doe consigo.” (pág. 387)

RESUMO SINÓPTICO:

No ano de 2024 o mundo está um caos. As pessoas vivem em pequenas comunidades escondidas através de muros e famílias numerosas dentro de uma mesma casa. O mundo está um caos total devido a crise ambiental, social e econômica. Poucos se arriscam além dos muros e quando os fazem, sempre estão prevenidos com armas, pois há vários indigentes e drogados nas ruas, à espreita para atacar os transeuntes que ainda se arriscam para trabalhar fora de seus muros.
LAUREN OLAMINA acaba de completar 15 anos e vive em uma dessas comunidades por trás dos muros com o pai, que é reverendo e professor, a madrasta que a criou desde pequena, porém não tem tanto apreço por ela, e, quatro meio-irmãos, todos homens entre 8 e 12 anos. KEITH é o irmão mais velho e o queridinho da mãe que não percebe a má índole do filho. Lauren tem um defeito genético transmitido por sua mãe biológica devido às drogas que tomava, Lauren é uma COMPARTILHADORA, ou seja, ela sente o que as outras pessoas sentem, sejam prazer, que já não existe muito ou dor, o que a tona bem vulnerável.
Em um dos poucos dias que o pai sai para lecionar, acaba não voltando para casa e todos ficam desesperado, pois já tinham perdido Keith quando ele resolveu sair de casa e viver nas ruas. Não tinham mais como se manterem e teriam de viver apenas do que plantavam e de trocas que poderiam fazer com os vizinhos. Lauren sempre precavida e prevendo o possível caos dentro dos muros, mantinha uma mochila sempre pronta com o essencial para se chegar em outro lugar e sobreviver, além de algum dinheiro que mantinha escondido.
Os marginais entram pelos muros e incendeiam as casas atrás do muro onde Lauren viviam, um novo tipo de droga que os deixava ‘loucos’ pelo fogo chamada ‘piro” os dominam totalmente. Os indigentes quando veem as casa pegando fogo, correm para roubar tudo que podem desde roupa, comida até dinheiro. Nesse ataque Lauren perde a madrasta e os irmãos. Teve de fugir às pressas com sua mochila de emergência e enfrentar a estrada em busca de outros lugares que possam servir de moradia. Missão quase impossível.
Lauren escrevia sobre uma nova religião que observava sobre e anotava tudo. Ao longo do caminho, passou por várias provações e dificuldades, mas aos poucos o número de adeptos (aparentes) e seguidores, vão aumentando até que encontram um local onde poderão construir uma nova comunidade e perpetuar a nova religião...

ANÁLISE CRÍTICA E DO AUTORA:

Não conhecia a autora e gostei muito de toda ficção criada por ela, principalmente porque a distopia criada é muito parecida com nossa possível realidade em breve, onde não poderemos sair de casa sem medo (se é que já não acontece). É uma previsão de um futuro próximo e mesmo que nos assombre ao fazer a leitura, sabemos que poderá acontecer.
Miséria, fome, violência física e psicológica, drogas, escravidão, falta de emprego, ambição governamental, caos... É o que encontraremos nesse livro, mas também, esperança, fé ou crença, amor e força de vontade que impulsionarão a uma mudança. Claro que toda mudança é lenta e por vezes pode ser radical, mas espero que aconteça nos próprios volume da série.
É um livro pesado de ser lido, porque a verdade fica escancarada sobre nosso próprio futuro, entretanto, é uma ficção e como tal, acredito que em alguns pontos a autora exagerou um pouco, dando tanta ‘força’ para um jovem protagonista, mesmo sendo bonita, inteligente e jovem. Poderia ter colocado um (a) protagonista um pouco mais maduro, afinal, ela viveu por trás dos muitos durante quase a vida toda e não tinha experiência das ruas, ainda assim, foi bem sucedida em sua empreitada de fuga. Algumas outras coisas foram também exageradas e de certa forma sem sentido, pelo menos para esse primeiro volume, quem sabe possam ter sido inseridas aqui e serão explicados nos próximos.
Admirei a ousadia e coragem da autora, porque colocou seus próprios medos e dúvidas no livro, principalmente ao questionar as religiões e os governos em tempo de crise, questionamentos sobre busca pessoal, seus objetivos de vida e qual o real sentido de tudo. Nos faz questionar nossa própria vida e existência, mesmo sendo uma distopia ficcional.
Livro muito bom que recomendo para quem gosta do estilo.
Agora pretendo ler as continuações, assim espero.

NOTA : 4,80 DE 5,00

Resultado de imagem para GIFS SMILEResultado de imagem para GIFS SMILEResultado de imagem para GIFS SMILE

Resultado de imagem para GIFS SMILEResultado de imagem para GIFS SMILE


SOBRE A AUTORA:

Foto -Octavia Estelle Butler

Filha de um engraxate e uma empregada doméstica, a Grande Dama da Ficção Científica nasceu na Califórnia, em 1947. Aos 12 anos, assistiu ao filme “A Garota Diabólica de Marte”, que era tão ruim, mas tão ruim, que mudou completamente sua vida. Octavia decidiu que contaria histórias melhores do que aquela e assim começou sua jornada como escritora. A autora precisou lutar contra a pobreza, a dislexia e o racismo para receber um diploma universitário e foi a primeira mulher negra norte-americana a conquistar o sucesso em uma área da literatura dominada por homens: a ficção científica.
Ao longo de sua carreira, foi laureada com o MacArthur Fellowship, Hugo, Nebula e Locus Awards, além de ser indicada mais de 20 vezes à prêmios. Representava em seus livros heroínas negras e explorava temas como raça, empoderamento feminino, divisão de classe, sexualidade e escravidão. Em 2010, quatro anos após sua morte, foi inserida no Hall da Fama da Ficção Científica, em Seattle.
Sua obra continua tão relevante, que ainda hoje é objeto de estudo e seu trabalho e vida ganharam uma magnifica exposição na The Huntington Library, na Califórnia.

CHEIRINHOS


RUDY





10 comentários:

  1. Olá Rudy!!
    Também não conhecia a OCTAVIA E. BUTTLER, essa é a primeira resenha que leio sobre esse livro, achei muito interessante, realmente tem muitos lugares que as pessoas são prisioneiras em suas próprias casas, tamanha a violência que impera! Gostaria muito de ler e ter a oportunidade de conhecer a aventura da Lauren em sua fuga.

    ResponderExcluir
  2. Olá rudy! Sou doida pra ler os livros dessa autora, sua história de vida é incrível, curto muito ficção científica e distopia, cada resenha que leio dos seus livros me deixa ainda mais curiosa em conferi tudo isso que dizem da sua escrita.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Tenho ele e outros dela Laços de Sangue,Despertar gosto muito da forma como ela escreve são todos livros impactantes que levam consigo aquela vontade de refletir sobre o assunto .Muito bem escolhido Rudy

    ResponderExcluir
  4. Parece ser um bom livro.
    Quando li a sinopse, percebi que se parece demais com a nossa realidade atual. Infelizmente não podemos mais sair de casa sem medo.
    O temor nos castiga diariamente.
    Essa foi a primeira vez que li a resenha de uma obra dessa autora. E já gostei muito.

    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Olá, Rudy! ♡ Ainda não tive a oportunidade de conhecer a escrita da autora, mas tenho muita curiosidade, pois até agora só ouvi coisas positivas sobre o trabalho dela.
    Gosto muito de distopias, apesar de fazer um tempinho que eu não leio uma.
    A premissa é ótima! Gosto bastante de livros que mostrem uma realidade que pode muito bem acontecer, gosto de livros futurísticos, eles nos fazem refletir sobre o quanto nossa realidade têm em comum com a dele.
    Estou animada para conhecer essa obra e ver as críticas que a autora faz a nossa sociedade.
    Muito obrigada pela indicação! Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  6. Oiii ❤ Eu gosto muito de distopias, além de querer ler algum livro da Octavia faz tempo.
    O que mais me chama atenção sobre a trama é que é uma realidade parecida com a nossa ou uma que já estamos no caminho para se tornar.
    Realmente, a violência, a falta de emprego, já são aspectos da sociedade do livro que já imperam na nossa.
    Estou muito curiosa sobre essa leitura, então ele vai direto para a minha meta de leituras.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  7. Quero muito lê-lo, pois parece ser um livro incrível, muito reflexivo, forte e tocante.
    Mas dá medo mesmo, porque, gente, a humanidade se encaminha para coisas ruins, perdas e muitos danos.
    Só Jesus na causa.
    Assim que der quero ler!
    bjs

    ResponderExcluir
  8. Minha estante tem muitos livros escuros, que quando encontro uma capa com outras cores, senão cinzas e pretos, já fico querendo. As distopias quase sempre nos dão a oportunidade de refletir nossos próprios atos, ainda mais quando se aproximam de algo que poderia ou poderá se tornar real. Mesmo com os pontos levantados em relação à protagonista, eu gostaria de ler.

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Uau, que resenha! Fiquei pensando como essa pequena jovem sofreu por perde a família e anda pelo mundo sozinha no estado que estar e tentar sobrevive nela. Fiquei bastante curiosa e com uma vontade enorme de ler.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  10. Oi, Rudy
    Ainda não conheço a escrita da autora e tenho muita vontade de ler seus livros.
    Gostei muito do enredo e tenho me interessado por distopias nesse ano por elas podemos refletir sobre nossas atitudes e realidade que não esta tão distante desse livro.
    Estou muito curiosa para ler, beijos!

    ResponderExcluir

Adoro ler seus comentários, portanto falem o que pensam sem ofensas e assim que puder, retribuirei a visita e/ou responderei aqui seu comentário.
Obrigada!!
cheirinhos
Rudy