19/10/2020

RESENHA #50 -“MULHER UMEDECIDA” (LITERATURA NACIONAL) - MARIA MORTATTI

 

 LIVRO:  “MULHER UMEDECIDA” (LITERATURA NACIONAL)

TRILOGIA: 02

AUTORA: MARIA MORTATTI

EDITORA: SCORTECCI

 PÁGINAS – 120

  EDIÇÃO 2020

CATEGORIA: POESIA BRASILEIRA

ASSUNTO: POEMAS

ISBN: -  978-65-5529-046-2




 

PRIMEIRO PARÁGRAFO:

“VESTIDA DE BRANCO,

CONTEMPLANDO O HORIZONTE,

AO CAIR DA TARDE ENSOLARADA

DE VÉSPERA DE NATAL,

TROPECEI NUMA PEDRA PARTIDA

DA ANTIGA E REPISADA CALÇADA

DA TERRA NATAL. [...]”.

 

CITAÇÃO:

 

“[...] Ainda em silêncio,

sufocada de desencanto, capitulei.

Porque já não posso viver

sem o bem que me faz,

aceito assim esse homem,

apesar da tristeza que, sem saber, me impõe. [...]”. (Poema O amor quando em perigo, pág. 19)

 

ANÁLISE TÉCNICA:

 

-CAPA-

 

Toda vermelha em degradê.

Acredito que o vermelho mostra a intensidade da paixão.

Imagens da capa: Acervo pessoal – Maria Mortatti – Pixabay

Arte final de capa: Mikaélly Nuncio.

 

NOTA: 4,50  DE 5,OO

 

-DIAGRAMAÇÃO:

 

As folhas são levemente amareladas com letras pretas medianas.

Conteúdo: dedicatória; dividido em quatro partes: I-O Encontro com onze poemas, II-Amor-perfeito  com quatorze poemas, III-Estações do amor com doze poemas e IV-A celebração das núpcias com dezenove poemas; post scriptum; testamento; posfácio; e, sobre a autora.

As partes estão com títulos em negrito e com logotipo de arabesco, os títulos são em negritos; os poemas são datados.

 

NOTA: 4,80  DE 5,00

 

- ESCRITA:

 

A narrativa é intimista, pessoal e em alguns trechos como se conversasse com o outro, em outros, como se revelasse seus pensamentos.

A linguagem é atual, de fácil entendimento, cadenciada (quase musical) e visceral, profunda.

 

NOTA: 4,70 DE 5,00

 

CITAÇÃO:

 

“Meu amor é paciente, calmo e bondoso.

Mas não sou tola. Não me trates como tal.

Sou intensa, é verdade. Mas não há o que temer.

Também sou discreta e noturna.

De dia, contenho-me nas cascas das árvores,

sob as quais o provedor laborioso

descansa da luta contra os predadores. [...]”. (Poema O amor quando ferido, pág. 70)

 

SINOPSE:

 

“Os poemas de Mulher umedecida evocam estados íntimos do eu-poético, como vivência em processo, na busca de simultaneidade entre o momento do vivido e o momento de seu registro como experiência (poética). Caracterizam uma sequência assemelhada à de páginas de um diário íntimo, em que se vai tecendo a narrativa de uma longa e tortuosa jornada, por meio da expressão dos estados da alma ritmados pelos sentimentos da mulher na relação com seu amado, a quem dedica os poemas. Ao mesmo tempo, vai se revelando a tessitura da relação amorosa, do ponto de vista da mulher umedecida, em monólogo dialógico-replicante com o homem, no movimento em vórtice que é também o de uma jornada de autoconhecimento, provocada pelo encontro e o vínculo com o Outro. Como uma peça poético-musical resultante do entrecruzamento de referências a composições literárias e musicais, entre começos, fins e recomeços, do começo ao fim ou do fim ao começo, o livro representa uma declaração do amor sem começo nem fim ofertada pela mulher ao homem que a umedeceu. O leitor que acolher o convite-desafio poderá avaliar se o ambicioso projeto foi bem-sucedido: as palavras tocam (em) seu coração como tocam no/do coração da mulher umedecida?”

 

CITAÇÃO:

 

“E foi numa noite esplendorosa,

em dueto amoroso,

olhos e mãos entrelaçados,

sorrisos cintilados,

que o poeta me ofereceu seu coração:

“Estes versos são para você!”

 

A razão em delírio pergunta:

Também de felicidade se pode enlouquecer? [...].” (Poema Delírio da razão , pág. 105)

 

RESUMO SINÓPTICO:

 

A sinopse está bem descritiva e não há necessidade de um resumo.

 

ANÁLISE CRÍTICA E DO AUTORA:

 

Nós mulheres trazemos de forma inerente, a sensibilidade e a percepção de situações que aparentemente podem ser superficiais e de forma sutil, conseguimos enquadrá-las dentro de nossas vivências e experiências adquiridas no decorrer da jornada existencial.

A autora conseguiu imprimir em seus versos a sutileza, a força e o desejo de uma mulher enamorada. Mostra o quanto pode ser profundo, doce e satisfatório o relacionamento, mas também, como alguns comentários e atitudes do ‘outro’, podem marcar, magoar, desestabilizar e ainda assim, proporcionar felicidade.

Contraditório? Pode até ser... E não somos todos seres dúbios, contraditórios e questionadores? E apesar de cada fala, atitude, toque, carinho, afeto, não buscamos a felicidade? Pois é o que a escritora conseguiu passar com seus poemas íntimos e sensíveis em suas colocações.

Dá para perceber uma certa cronologia nos fatos e sentimentos narrados, um vai e vem no tempo, mostrando a evolução da relação e da sensação naquele determinado momento, deixando a marca dos sentimentos, incrustadas nas palavras que serão imortais.

Não há como não me identificar com as experiências transcritas, acredito que em algum momento, já sentimos a ambiguidade descrita e a busca pessoal e poética demonstrada pela autora. Suas poesias trazem acalanto ao coração, questionamentos filosóficos à mente e transcende a sensibilidade da alma.

Recomendo para todos, principalmente para as mulheres que entendem o umedecimento feminino.

 

NOTA :  4,80 DE 5,00










 

SOBRE O AUTORA:




 

Professora titular da UNESP - Universidade Estadual Paulista. Livre-Docente em Metodologia da Alfabetização (1997) pela UNESP. Licenciada em Letras (1975) pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Araraquara-SP; Mestre em Educação (1987) e Doutora em Educação (1991), pela Faculdade de Educação da UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas-SP. Atua no curso de Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação da UNESP - Marília. Atuou no Curso de Pedagogia da UNESP- Presidente Prudente (1991-1998) e no Programa de Pós-Graduação em Letras da UNESP - Assis (1993-1999). Entre 1976 e 1991, atuou em escolas públicas e particulares paulistas, como professora de língua portuguesa e literatura e coordenadora pedagógica, além de monitora de ensino junto à Delegacia de Ensino - Campinas. É coordenadora do GPHELLB - Grupo de Pesquisa História do Ensino de Língua e Literatura no Brasil, criado em 1994. É Presidente Emérita da ABAlf - Associação Brasileira de Alfabetização.

 

CORTESIA EDITORA SCORTECCI.




CHEIRINHOS

RUDY





6 comentários:

  1. Olá Rudy!
    Adoro livros de poemas, não conhecia a autora e adoraria ter a oportunidade de ler o livro na íntegra, pois me parece ser muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Olá Rudy!
    Amo um livro de poemas, não conheço essa autora, essa sua resenha me deixou bastante interessada em conferi tudo que foi dito aqui.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Gostei da publicação!! :))
    -
    Morre lentamente ...

    -
    Beijos, e um excelente dia de Quarta Feira!

    ResponderExcluir
  4. OLA Rudy
    não conhecia a autora ,já faz um bom tempo que não leio livros de poesia .quando tiver oportunidade quero conhecer as poesias da autora
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Oi, Rudy!
    Confesso que faz tempo que li um livro de poesias, e os que li não eram totalmente centrado na mulher... achei isso bem diferente e claro que fiquei interessada, ainda mais por ser um livro nacional.
    Se a oportunidade surgir lerei com certeza!
    Bjos, obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Rudy
    Parecem ser poesias maravilhosas.
    Que falam com a gente, demonstram nossos sentimemtos, lutas, sonhos, etc.
    Vai pra lista!
    Bjs

    ResponderExcluir

Adoro ler seus comentários, portanto falem o que pensam sem ofensas e assim que puder, retribuirei a visita e/ou responderei aqui seu comentário.
Obrigada!!
cheirinhos
Rudy