30/07/2017

RESENHA #49 - ”LÉGUAS DA DESCOBERTA”(LITERATURA NACIONAL) - CLÁUDIO GUILHON PELO ESPÍRITO RITA DE CÁSSIA

LIVRO: ”LÉGUAS DA DESCOBERTA”(LITERATURA NACIONAL)
AUTOR: CLÁUDIO GUILHON
PELO ESPÍRITO RITA DE CÁSSIA
EDITORA: JAGUATIRICA
PÁGINAS –286
1ª  EDIÇÃO 2017
CATEGORIA: LITERATURA NACIONAL
ASSUNTO: ESPÍRITA
ISBN: - 978-85-5662-093-4


Léguas da descoberta



CITAÇÃO:

“Duramin era uma comunicante direta com o mundo dos espíritos, que a acompanhavam desde a infância. Na realidade, ela fora preparada nas zonas espirituais para exercer um mandato de intercomunicações entre os espíritos e os homens de boa vontade, ou seja, que além do respeito com as religiões alheias, são aqueles que tendem a alavancar a humanidade em seus destinos construtivos. [...]”(pág. 31)

“Afinal, tudo começou com o Divino Mestre elogiando aquele país, que no futuro seria pátria do evangelho, coração do mundo. Que Deus seja louvado pelas suas obras infinitas.” (pág. 65)

“Essa história de amoré e ódio, voltando ao cenário terrestre, toma como ponto de partida o amor fragmentado de uns pelos outros que foram vítimas dos seus próprios orgulhos e vaidades. Nessa trama não há vencidos ou vencedores, apenas amor, dádiva de Deus aos seus semelhantes que, em aprendizagem, será capaz de uni-los e resgatá-los para o início de uma nova trajetória. E nós, simples servidores de Cristo, fomos escalados para acompanhar, receber e doar todas as complacências que o Nosso Senhor Jesus Cristo nos concedeu.” (pág. 109)

“-Bem, meu pai, uma coisa aprendi: não existe bem maior que o amor a Cristo. A partir de agora, Ele será meu guia e conselheiro. Nunca deixarei este amor se afastar de mim. Assim prometo, assim eu confirmo as minhas palavras.” (pág. 279)


ANÁLISE TÉCNICA:

-CAPA-

Uma caravela singrando o mar com montanhas e vegetação nas margens e por do sol ao fundo.. É uma fotografia linda!
Feita por 54 Design.
A capa é belíssima e retrata uma parte da história do livro.

NOTA: 5,00 DE 5,00

-DIAGRAMAÇÃO:

Páginas amareladas com letras pretas um pouco acima da média que facilitam a leitura.
Conteúdo: sumário; introdução; capítulos sem numeração e com títulos em negrito; consequência; novas revelações; outras considerações; pós-fim; comentários I; e, comentários II.
Feita por
Nathalia Amaral.

NOTA: 5,00 DE 5,00


- ESCRITA:

A narrativa é descritiva em 3ª pessoa pelo espírito Rita de Cássia que relata de forma explicativa os fatos do passado que culminaram no encontro do presente; diálogos dinâmicos e imprescindíveis.
Foram encontrados alguns erros ortográficos, principalmente de separação de palavras, mas nada que interfira no entendimento do enredo.
Revisão feita por Evaldo Reis e José Fontenele.

NOTA: 4,80 de 5,00



CITAÇÃO:

“[...] É assim que acontece com as sociedades sem líderes religiosos sensatos, sem moral e sem razão de ser, deixando a ilusão comandar seus atos. [...]” (pág. 144)

“Como neste caso, tudo dependeria, no final, da vontade de cada um através do contato íntimo de seus pensamentos perdoar e amar uns aos outros. [...]” (pág. 155)

“A riqueza transmitia poder sobre os outros e fama para a sociedade europeia. Nos dias atuais, além desses predicados, a Cida na cidade tornou-se mais cheia de prazeres rápidos e sem noção, o que leva o ser humano a um imenso abismo entre o seu eu e a realidade que teima em se apresentar à sua frente. Nestas circunstâncias, a lei do perdão e do amor ao próximo tende a ser posta de lado em favor dos prazeres que a vida moderna passa a oferecer. [...]” (pág. 156)

“[...] Os planos do Mestre são para salvar os pecadores e enterrar o pecado, eis o objetivo da evolução moral. [...]” (pág. 165)

“-[...] Para nós a riqueza está nesta natureza bela e perfeita, nos rios, no mar e no céu unindo as estrelas. Nosso coração não é egoístas, só queremos ter filhos e criar famílias. Deixem estas riquezas de lado e nos sigam na simplicidade da vida, assim vocês poderão encontrar a paz que tanto vocês, homens de guerra, desejam.” (pág. 196)


SINOPSE:

“Em 'Léguas de descoberta', o terceiro romance psicografado por Cláudio Guilhon e narrado pelo espírito Rita de Cássia, acompanhamos exploradores espanhóis desbravando um novo país: o Brasil. Na caminhada, uma dupla de escravos africanos e uma índia se juntam ao grupo, mas não por acaso. A espiritualidade juntou aquelas almas com o objetivo de que, próximas, consigam ultrapassar seus desafios pessoais em busca do aperfeiçoamento divino. Solidariedade, intrigas, investigação, mortes, surpresas, caridade e amor acompanham o grupo na jornada pelo território desconhecido.”

CITAÇÃO:

“- Deixem-me concluir minha vingança. – Disse ele.
- Vingança não leva a nada, retorne para a vida que Cristo pregou, ajude seus irmãos.” (pág. 210)

“ – Louvado seja o Senhor que nos guia, nos dá certeza de que um dia seremos homens de boa vontade.” (pág. 216)

“O porto seguro, sem dúvida, são os ensinamentos do Pastor de almas que veio nos ensinar o quão é importante o amor do nosso Pai para com todos. Para Ele, o fato de estarmos na infância da humanidade significa mais cuidados com os sofredores e aflitos. Que assim seja!”. (pág. 221)

“Assim lavava-se a honra da tribo: praticando o ritual de morte. Após a matança ou captura de inimigos, cruzavam as lanças por todo o corpo da vítima até atingir os órgãos vitais. [...]”(pág. 226)

“Após uma intensificação maior da luminosidade, um doce perfume invade o ar onde se travava a batalha invisível. Logo Portarcos e Restritos caem em choro compulsivo e são abosdados por vários espíritos de luz que os consolam e lamentam o estado em que se encontram.
-Deixem-se amar, nós temos o bálsamo para vocês, as palavras de Jesus, que dizia “Ame o seu próximo como a si mesmo”.” (pág. 230)

RESUMO SINÓPTICO:

No ano de 1638 Portugal e Espanha disputavam o descobrimento de novas terras, oq eu trazia inimizade entre as nações.
No dia 18 de fevereiro uma excursão com uma comitiva de dez navios, parte  em direção ao Atlântico Sul sob o comando de Diogo Álvares, contratado a peso de ouro para comandar a expedição portuguesa às terras do Brasil a bordo da nau Aragosa.
A frota foi financiada pelo governo maltês em conjunto com os holandeses e abençoada pelo Bispo de Castela. No grupo havia um jovem de descendência espanhola chamado Rubenito com apenas 18 anos e partia com o sonho de arrumar dinheiro e fortuna fáceis. Ao seu lado, como companheiro de viagem, vinha de áreas europeias do norte o jovem Ruan Bravi com 22 anos e que havia sido apunhalado pelo próprio irmão quando tinha apenas 13 anos.
A viagem tem início e ao chegarem próximos das terras que achavam ser o Brasil, a comitiva se depara com uma grande tempestade que muda o curso da nau e vão parar em uma terra que não está nos mapas cartográficos da época, acharam que estavam em terras africanas.
Diogo Álvares mandou que três canoas fossem à terra descobrir se existia civilização. Após três dias chega a notícia que encontraram remanescentes da tribo Mabeube, uma aldeia africana de tantos cultos religiosos considerados hostis. Um casal de negros é levado a bordo, porém ninguém conseguia comunicação com eles e por causa dos pássaros os nomearam Aramim para o homem e Duramin para a mulher.
A viagem retoma onde havia a instrução dos reis de Castela para explorar o solo brasileiro e descobrir novas terras e riqueza com destino ao Atlântico Sul. Chegaram a formação de três pequenas ilhas, já demarcadas pelo cartógrafo em viagem anterior, que apelidou o local de Ilha Grande, Dos Prazeres, Das Alegrias, Dos Derradeiros.
O Aragosa acaba encalhando na costa do Sul do Brasil, nos arrecifes do arroio. As demais naus acabam se afastando do curso e continuaram a viagem ainda mais para o sul. Nesse meio tempo Duramin acorda de um sono intranquilo, onde tinha tico um mal pressentimento. Tentou repassar a mensagem para Diego que não acreditou nas palavras da negra, disse que ela não sabia de nada e só trazia mau agouro.
Enquanto os reparos eram feitos na Aragosa, uma comitiva desce para terra com Rubenito, Ruan, o padre, os negros e outros homens. Foram explorar o local e trazer mantimentos, pois já estavam no fim. Acabam se deparando com a índia Aluê que encanta Rubenito. Através de pequenos presentes dados para tribo de Aluê, eles conseguem um tesouro em ouro e pedras o que fascina Rubenito e Diego Álvares que querem ir em busca de mais...
O que não sabiam é que o destino deles já estava traçado pelo mundo espiritual e assim começam uma ventura inimaginável para resgate dos erros do passado. Ao mesmo tempo o próprio plano espiritual travava também uma guerra entre o bem e o mal...



CITAÇÃO:

“Passaram várias horas até o sol nascer, Aramin não conseguia dormir e a nova situação trazia mais responsabilidade para ele, mas o amor não tem fronteiras; quando ele atinge os corações apaixonados, nada impede das almas se unirem. Com as bênçãos de Deus a humanidade progride para o amor a Ele e aos semelhantes.” (pág. 241)

“Numa passagem do Evangelho, Cristo se referiu: “a todo aquele que se dedicar aos negócios do Pai, será dado o cêntuplo de bênçãos de retorno”.[...]”(pág. 248)

“-Deixem a voz de Deus falar, e não me interrompam. Por certo, durante milhares de anos, os povos vêm divergindo um dos outros. Chego a pensar o que seria da humanidade se não houvesse o amor que o Divino Mestre propagou, a caridade, o respeito mútuo; certqamente estaríamos em um lixo, num buraco sem fim. Mas Ele veio e trouxe o recado que deveríamos nos amar uns aos outro e respeitar sem cobranças. [...]”(pág. 264)

“-Nunca imaginei isto, mas sinto que aqui se inicia uma nova história do bem contra o mal, onde o primeiro suplantou o segundo. Daqui para a frente não duvidarei da bondade divina, erguerei a luz do Mestre ao ponto mais alto da minha emoção. Não deixarei nunca de acreditar que o amor suplanta qualquer ódio ou pecado. Ficarei atento a todos que com seus destinos influenciarão vidas alheias, que com um toque do que o divino Mestre ensinou, tudo se transformará.” (pág. 272)

“Assim ocorre nas famílias de sangue, ou de trabalho, ou de convivência comum. Almas, já adestradas e evoluídas, confiadas para a missão do amor, levam pesados fardos, na maioria das vezes, com a finalidade de trazer o Cristo ou o amor aos seus pares. Com isso, a humanidade vai progredindo, pedindo e clamando por mais justeza na relações, caindo e se levantando, pedindo e orando ao nosso Mestre maior para que um dia tenha finalmente chegado ao que o Mestre anunciou: “Chegarás a mim pelo teu esforço, e terás um lugar no paraíso”.[...]”(pág. 277)

ANÁLISE CRÍTICA E DO AUTOR:

Como podem observar, marquei várias citações e já deu para notar que a leitura foi agradável e de grande aprendizado, não apenas em termos espirituais, como em termos históricos também.
Todo cenário é muito bem ambientado e traz a história verdadeira entre as disputas de terras por Portugal e Espanha daquela época, para adentrar no verdadeiro enredo do livro, que traz a história de resgates espirituais das personagens principais. Eles viveram contendas, traições e litígios em vidas anteriores e voltaram para resgatar o perdão, a união e o amor.
Independente da crença religiosa de quem está lendo essa resenha, devo dizer que apesar do livro ser psicografado, a maior lição do livro é o grande amor de Deus e de Jesus por todos nós e que devemos seguir o exemplo Deles, praticando o perdão e cultivando o amor pelo próximo.
A lição maior é deixarmos a ambição, a inveja, o desejo material, pelo prazer de apreciar a simplicidade da natureza, de apreciar o que a natureza nos proporciona de bom grado, do amor ao próximo sem esperar nada em troca...
Através de um enredo bem contextualizado e com personagens bem definidos, podemos apreciar o desejo pessoal ser suplantado e superado pelo amor verdadeiro.
O livro é tocante e traz grande questionamento pessoal sobre nosso pensamento e comportamento diante de diversas situações que se apresentam. O livro traz uma grande transformação interior e uma perspectiva de que apesar de qualquer erro que tenhamos cometido, temos sempre a oportunidade de nos redimirmos e crescermos como pessoa e adquirirmos a evolução espiritual.
Preciso ainda comentar que o livro tem muita ação e que o final traz uma reviravolta inesperada e surpreendente.
Recomendo a leitura para todos e que ao lerem, tenham o coração aberto para absorver os ensinamentos transmitidos das palavras abençoadas transmitidas pelo espírito de luz que conduziu o escritor à escrita do livro.

NOTA : 5,00 de 5,00


SOBRE O AUTOR:

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, close-up



Cláudio Guilhon, natural de Belém (PA), é médico especialista em Oftalmologia e Medicina do Trabalho. Em 2010 iniciou o estudo da doutrina Espírita e desenvolvimento da mediunidade no Centro Espírita Yvon Costa, no qual exerce suas atividades mediúnicas até os dias de hoje. Publicou 'Luzes no passado' (2016) e 'Tramas do Vesúvio' (2016), também narrados pelo espírito Rita de Cássia.

Cortesia cedida pelo autor através da Oasys Cultural.

CHEIRINHOS
RUDY


4 comentários:

  1. Eu não curto muito o gênero...
    Já tentei ler um livro espírita, por curiosidade, mas não consegui termina-lo... É uma estranheza, Acho q pelo fato de eu não acreditar nas palavras...não sei bem.

    ResponderExcluir
  2. Eu não conhecia o livro, mas fiquei interessada.
    Apesar de cristã, gosto de livros que falam sobre o amor de Deus, e a importância do perdão. E, claro, o melhor: colocarmos os dois em prática.
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Ola Rudy!!! Não conhecia esse livro, não sou muito de livro livros desse genero, gostei das citações que vc expôs, mas não é livro que pegaria para ler!!!

    ResponderExcluir
  4. Olá Rudy!
    Não conhecia esse livro e muito menos o autor, gostei do livro tem uma premissa muito boa, porém não é muito meu gênero de leitura.

    ResponderExcluir

Adoro ler seus comentários, portanto falem o que pensam sem ofensas e assim que puder, retribuirei a visita e/ou responderei aqui seu comentário.
Obrigada!!
cheirinhos
Rudy