25/05/2017

RESENHA #35 - ”A ALQUIMIA DA TEMPESTADE E OUTROS POEMAS” (LITERATURA NACIONAL) - D. G. DUCCI

 LIVRO:”A ALQUIMIA DA TEMPESTADE E OUTROS POEMAS” (LITERATURA NACIONAL)
AUTOR:D. G. DUCCI
EDITORA: 7 LETRAS
PÁGINAS –104
1ª  EDIÇÃO 2016
CATEGORIA: LITERATURA BRASILEIRA
ASSUNTO: POESIAS
ISBN: - 978-85-421-0457-8

alquimia_capa


CITAÇÃO:
“A carne é fraca
A alma exala
O perfume da dor
Mas não conte a ninguém
Que nós sabemos disso.”
(pág. 20)

ANÁLISE TÉCNICA:

-CAPA-

É cinza, apenas com o título e nome do autor dentro de uma margem ilustrada.
Capa simples e sem muita expressão, diante dos poemas fortes que contem no livro.

NOTA: 3,50 DE 5,00


-DIAGRAMAÇÃO:

As folhas são amareladas com letras pretas medianas.
Conteúdo: sumário; dedicatória; dividido em seis partes com título – OS OUTROS POEMAS com dezesseis poesias, A ALQUIMÍA DA TEMPESTADE com um poema,  A BRISA com 13 poesias, O VENTO com dezesseis poemas, A CHUVA com 10 poesias e O FURACÃO com treze poemas (todas poesias/poemas com título); e, sobre o autor.
Coordenação editorial: Isadora Travassos
Produção editorial: Eduardo Süssekind, Rodrigo Fontoura e Victoria Rabello.

NOTA: 4,00 DE 5,00


- ESCRITA:

A escrita é diversificada.
Os poemas são escritos de várias formas, alguns em terceira pessoas e a maioria em primeira pessoa. Não possuem uma métrica única, variam entre poemas, sonetos e há ainda uma poesias em inglês.
Alguns com língua mais culta, coloquial e aprimorada, outros com linguagem mais contemporânea e simples. O que traz uma mistura de atemporal em relação ao significado de cada título.
Não há que se falar em erros, principalmente de pontuação, porque poesias são livres de tal denominação, são abertos e podem ser escritos da forma mais aprazível ao escritor.

NOTA: 5,00 de 5,00


CITAÇÃO:
“Estranho ver os lábios separados
Em tempo tão singelo (é importante!),
Que brinda a dor de ter proximidade
Sem ver os lábios unos, como antes.”
(pág. 65)


SINOPSE:

“Valendo-se das estruturas e métricas clássicas e de um amplo domínio da língua, esta alquimia poética de D. G. Ducci traz uma verdadeira jornada pela história da poesia, mesclando o Romantismo ao clássico Árcade, e dialogando com a tradição shakespeariana em forma de soneto. Da Brisa ao Vento, do Vento à Chuva, e desta até o Furacão, Ducci constrói com habilidade e inventividade uma quase-autobiografia poética bastante original.”



RESUMO SINÓPTICO:


Como o próprio autor diz, o livro não é de ficção, é mais uma autobiografia poética, onde expõem sentimentos íntimos, pensamentos que vagam, mostrando a jornada intrínseca dentro do estudo poético, utilizando-se de vários artifícios e alguns gêneros distintos na confecção de seus poemas, uns com rimas, outros sem ela, porém todos bem definidos e bem escritos.

Passa dos desejos pessoais ao amor, as conversas viscerais à  homenagem lírica para alguns personagens, até chegar ao ponto de mais nada dizer...

São versos expressivos e contundentes, focados e simbolizados por expressões naturais, baseados na força incontrolável da natureza.


CITAÇÃO:
“Teu manto calmo – espera – será breve:
Há de chegar o dia em que termine
Este ser podre, enfermo, combalido, 
pra minha força poder vagar leve.”
(pág. 90)


ANÁLISE CRÍTICA E DO AUTOR:


Fazer análise de poesias/poemas não é algo fácil, porque cada escritor demonstra seus sentimentos de forma diversificada e totalmente pessoal, portanto, quem sou eu para julgar?
Poesias são mais para serem sentidas, algo quase osmótico, como se fossem absorvidas pela pele, chegando diretamente ao coração.
Aqui pude sentir a ebulição interior do autor, transbordar através das palavras transformadas em sonoridade em alguns instantes, em crítica em outros momentos, pormenorizando um processo evolutivo em vários níveis: físico, psicológico, político, social e amadurecimento pessoal .
Uma verdadeira explosão sem controle emocional; a passionalidade e fragilidade do amor em todas suas variações e sem limites; a expressão intuitiva do sentido da vida, voltado para seus versos.
O livro mostra um simbolismo atenuado através das forças da natureza que quando vem, arrasam de maneira inesperada, destruindo tudo que veem pela frente, para depois, trazer o caos, a desolação, a calmaria  para apaziguar a fúria interna, a revolta e ao final, a evolução e aprendizado, a plenitude de sentimentos intensos.
Para quem como eu aprecia bons versos, bem escritos e carregados de sentimentos, o livro é mais que recomendado. Um verdadeiro turbilhão de sentimentos.


NOTA : 4,50 de 5,00




CITAÇÃO:
“Fui ao monte mais alto
E ao abismo mais profundo,
Buscando a razão maior
De todos meus questionamentos.”
(pág. 35)



SOBRE O AUTOR:

A imagem pode conter: 1 pessoa

D.G Ducci é pseudônimo de Daniel Guilarducci, diplomata e autor do livro de poemas "Alquimia da Tempestade".


Nasceu em Brasília, em 1975. Aprendeu a ler muito cedo. Histórias em quadrinhos, Sherlock Holmes e livros sobre a mitologia arthuriana estavam entre suas leituras preferidas. Na adolescência, inspirado pelo filme Sociedade dos Poetas Mortos, montou, com amigos do colégio (Colégio Marista de Brasília), um grupo de estudo de poesia chamado Nova Plêiade. Chegaram a publicar um livro – edição própria do colégio – em 1992. Nessa época, encantou-se com os poetas ultrarromânticos brasileiros, em especial Álvares de Azevedo. Graduou-se em História e Biblioteconomia na Universidade de Brasília. Diplomata, serviu na Embaixada do Brasil na Finlândia, e hoje trabalha no Departamento Cultural do Itamaraty. Cofundador e coeditor do blog Razão de Aspecto, que desde 2015 traz críticas cinematográficas. Titular também da coluna "O livreiro" na Revista Eletrônica da Associação dos Bibliotecários do Distrito Federal. "A alquimia da tempestade" (7Letras) é seu livro de estreia.

LIVRO CEDIDO PELA OASYS CULTURAL.

CHEIRINHOS
RUDY

12 comentários:

  1. Oi Rudy.
    Adorei sua resenha mas confesso que poemas não é muito meu estilo O que é uma pena realmente já que achei o livro bem interessante Adoro essa de intercalar a narrativa em primeira e terceira pessoa mas enfim é realmente uma pena que eu não leio poemas.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelas palavras, Rudy, e que bom que você gostou.

    Quanto à capa, a ideia era essa mesma: deixá-la meio atemporal, meio sem época definida. Clássica, e com a fonte discretamente apontando para a proposta do livro.

    ResponderExcluir
  3. Eu simplesmente amo poesias e realmente as mais bonitas são aquelas que conseguem mexer com nossos sentimentos, nos faz diferentes ao fim da última linha.

    ResponderExcluir
  4. Poesia é algo tão lindo.
    Leio pouco, mas fico impressionada com a capacidade de alguns autores de nos passar uma mensagem em tão poucas palavras.

    ResponderExcluir
  5. Que resenha linda!
    O autor parece ser muito talentoso e cheio de emoções. O que para poesia, tem que ter muita habilidade!!
    Parabéns pra ele.
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Oi, Rudy.
    Poesias fazem bem ao coração! Esse livro parece ser muito bonito, gostaria de ter a oportunidade de ler.
    Desejo sucesso ao autor.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  7. Olá Rudy,
    Já tinha lido uma resenha desse livro uma vez, só não lembro onde mas e incrivel como o autor aborda a poesia nesse livro. A poesia é algo que você amar e carregar sempre dentro de si.

    ResponderExcluir
  8. Oi Rudy
    Concordo com você que é muito difícil analisar um livro de poesia principalmente para mim que não conheço a parte técnica do assunto. Então quando leio poesia simplesmente me foco nos sentimentos que ela me passa. Esse livro parece muito bonito e gostoso de ser lido.
    abraços
    Gisela
    www.lerparadivertir.com

    ResponderExcluir
  9. Olá Rudy!!
    Eu amo poesia, queria tento saber escrever poesia !!! Gostaria muito de ler esse livro!!!

    ResponderExcluir
  10. Adoro livro de poesias tem poesias que tocam lá no fundo e as vezes são historias do passado e presente basta analisar e sentir, a pouco tempo um autor me passou uma poesia eu viajei no pensamento, cheguei a sentir um calafrio como se ele fosse a pessoa que marcou o meu passado.

    ResponderExcluir
  11. Ah Rudy, eu gosto muito de alguns poemas, mas não sou do tipo que fica lendo livros de poemas. De toda forma, excelente resenha!

    ResponderExcluir
  12. Ainda sou iniciante no mundo da poesia, o que senti é que são poemas vão além do físico, que transbordam emoção, achei o simbolismo das forças da natureza incrível, isso demonstra o quão arrebatadora é a mensagem que o auto quer passar.

    ResponderExcluir

Adoro ler seus comentários, portanto falem o que pensam sem ofensas e assim que puder, retribuirei a visita e/ou responderei aqui seu comentário.
Obrigada!!
cheirinhos
Rudy