04/06/2017

RESENHA #38 - ”MORTE NO NILO” - AGATHA CHRISTIE

LIVRO:”MORTE NO NILO”
TÍTULO ORIGINAL: “DEATH ON THE NILE”
AUTORA: AGATHA CHRISTIE
TRADUÇÃO: NEWTON GOLDMAN
EDITORA:NOVA FRONTEIRA
PÁGINAS –254
1ª  EDIÇÃO 2014
CATEGORIA: ROMANCE INGLÊS
ASSUNTO: ROMANCE POLICIAL
ISBN: - 978-85-209-3651-1





CITAÇÃO:

”O amor não é tudo na vida. Só os muito jovens é que acreditam nisso.” (pág. 54)

“[...] –Ah! Pensei neste estado de felicidade exaltada que geralmente prenuncia uma tragédia. Como se a vida fosse boa demais para ser vivida.” (pág. 97)

ANÁLISE TÉCNICA:

-CAPA-

Ilustração de uma figura feminina, onde os cabelos se transformam em pequenas ondas de um rio (digo rio porque o cenário do livro é sobre o Rio Nilo), com pequenas embarcações navegando, fileira de coqueiros e pirâmides do Egito.
Produção: Adriana Torres, Ana Carla Sousa e Thalita Aragão Ramalho.

NOTA: 4,00 de 5,00

-DIAGRAMAÇÃO:

As folhas são amareladas com letras pretas na média, o que facilita a leitura.

Conteúdo: prefácio; sã trinca capítulos apenas numerados e com divisões em algarismos romanos; sobre a autora; e, outros títulos da autora.

LARGURA - 13.50 cm
ALTURA            - 20.80 cm
PESO -  0.330 Kg
ACABAMENTO:  Capa dura

Projeto gráfico do miolo: Leandro B. Liporage
Diagramação: Leandro Collares

NOTA: 5,00 DE 5,00

- ESCRITA:

Narrativa descritiva em terceira pessoa desconhecida e diálogos ágeis e inteligentes que facilitam a leitura e o entendimento.

Acredito que a narrativa é o ponto forte do livro, pois através dela, temo uma visão abrangente de cada personagens, seus pensamentos e atitudes.

Encontrei alguns erros de separação de sílabas, poucos e que em nada atrapalham a leitura.

Revisão: Rachel Rimas

NOTA: 4,80 DE 5,00

CITAÇÃO:

“- Quando o sol brilha não se pode ver a lua...mas quando o sol se põe...” (pág. 163)

“- Não é mesmo? Porém, certas pessoas persistem no erro. Criam uma teoria e procuram excaixar tudo nessa teoria. Se algum detalhe não encaixa, é posto de lado; e são sempre os detalhes que contêm a chave do mistério. [...]” (pág. 194)

SINOPSE: Bela, rica e inteligente, a jovem herdeira Linnet Ridgeway parece conseguir tudo o que quer. No entanto, quando rouba o noivo de sua melhor amiga e se casa com ele sem pensar duas vezes, talvez Linnet esteja indo longe demais...
Em sua viagem de lua de mel num cruzeiro pelo rio Nilo, no Egito, o casal apaixonado se depara com uma série de antagonistas interessados em sua fortuna e em provocar sua infelicidade. Então Linnet é encontrada morta, com um tiro na cabeça. O detetive Hercule Poirot, que por acaso também estava no navio, entra em ação para tentar montar mais esse quebra-cabeça.”


RESUMO SINÓPTICO:

Linet Riggeway é a ‘coquete’ da sociedade, milionária mais assediada pelos pretendentes, a maioria interessado apenas em sua fortuna. Ela dispensava a todos, dentro dos padrões sociais, pois o que queria mesmo era o amor verdadeiro. Inclusive Lorde Windlesham.

Jackieline Bellefort é uma das amigas mais antigas de Linet que mesmo sabendo da condição inferior socialmente de Jackie, jamais a detratou ou humilhou. Jackie foi a procura da amiga para conseguir um emprego para o noivo, Simon Doyle. Jackie e Simon estão de casamento marcado, porém como perdeu o emprego, não poderiam concretizar o sonho de amor casando.

Linet aceita conhecer Simon para ver a possibilidade de conseguir um emprego para ele em suas propriedades, porém, ao olhar pela primeira vez nos olhos de Simon, se apaixona. Em pouco mais de 2 meses se casa com ele, deixando a amiga desamparada e triste.

Linet e Simon resolvem passar a lua de mel em um cruzeiro pelo Rio Nilo. Outras pessoas também farão a viagem, o que eles não esperavam era encontrar Jackie Bellefort no mesmo passeio, deixava Linet abalada e Simon furioso.

Em férias estava o conhecido investigador Hercule Poirot que viajaria na mesma embarcação e outros tantos personagens secundários, alguns conhecidos de Linet e outros não.

Durante a viagem, Linet aparece morta com um tiro na cabeça à queima roupa e a maior suspeita recai sobre Jackie... porém as coisas não são bem assim, já que Jackie tem um álibi incontestável e não poderia ter assassinado Linet. Quem seria então o assassio? E quais seriam os motivos para matarem Linet?

Hercule Poirot então começa a investigar o caso ao lado de seu amigo Corronel Race, agente do Serviço Secreto Inglês que está embarcado à procura de um terrorista internacional disfarçado, que de acordo com informações, está na viagem também...

Querem saber como tudo se resolveu? Então, leiam o livro...

CITAÇÃO: “- O amor pode ser uma tragédia assustadora – comentou a sra. Allerton
-Por isso a maioria dos grandes amores é uma tragédia.” (pág. 247)

ANÁLISE CRÍTICA E DO AUTORA:

Costumo não fazer releituras (com exceção do Pequeno Príncipe), porém, tem mais de 40 anos que li esse livro a primeira vez, portanto, nem considero uma releitura, já que pouco me lembrava do enredo e de todas as emoções sentidas com a leitura.

Falar sobre a obra da Rainha do Crime dá até medo, porque ela tem uma criatividade e engenhosidade na formação das personagens e do enredo que beira a perfeição (na minha opinião). E quem sou eu para avaliar alguém tão importante no mundo literário? Ainda assim, arriscarei aqui a passar minhas impressões ao ler esse livro.

Como já falei, faz muuuuuitos anos que li esse livro (bem como tantos outros da autora, pois teve uma época que era bem viciada nos livros dela) e claro que lembrava do quanto a escrita flui e o quanto nos vemos envolvidos na trama disposta no livro, contudo, poder sentir novamente a adrenalina correr nas veias através dos assassinatos relatados e ficar ‘matutando’ uma forma de desvendar os mistérios que envolvem tais assassinatos, renovou minhas energias mentais e trouxe grande prazer na leitura.

Sim, porque o livro faz com que pensemos em cada pista disposta, em cada protagonista descrito, em cada atitude tomada, em cada conversa transcrita e como diria o maravilhoso Hercule Poirot, “o segredo está nos detalhes”, e é uma verdade. Ainda assim, difícil fazer todas as colocações perfeitas (como Poirot) faz para descobrir os crimes. Acredito que por causa dele é que observo muito os detalhes, não apenas nos livros, mas em tudo na vida.

Inegável é a forma como a autora consegue criar uma ficção policial bem escrita, onde os protagonistas e personagens secundários tem grande importância, onde não há coincidências, cada comentário e ação tem um objetivo, mesmo que só venhamos a perceber muito depois. Mesmo que achemos algo nem nexo momentâneo, mas tem sempre uma finalidade.

O que posso dizer é que: quem ainda não teve oportunidade de ler nenhum dos livros da autora, leia! É uma leitura rica, carregada de percepções, de mistérios a serem desvendados, de suspense intenso e conclusão perfeita. Tudo fica bem amarradinho, sem pontas soltas. E a leitura proporciona grande entretenimento para quem gosta de romances policiais.

Acredito que depois da Agatha, fica bem difícil encontrarmos livros no estilo com tão grande maestria como os dela...


NOTA : 5,00 DE 5,00



SOBRE A AUTORA:

Agatha Christie

Agatha Christie
Agatha Christie (1890-1976) foi uma escritora inglesa. "Hercule Poirot" é um detetive belga que aparece em 33 obras da autora. Agatha foi a maior escritora policial de todos os tempos. Escreveu 93 livros e 17 peças teatrais.
Agatha Christie (1890-1976) nasceu em Torquay, condado de Devonshiri, Inglaterra, no dia 15 de setembro de 1890. Filha do americano FredericK Miller e da inglesa Clara. De família rica, Agatha estudou em casa, com professores particulares, aprendeu piano e canto. Passava a maior parte do tempo escrevendo poemas e contos. Em 1914, casa-se com o piloto inglês Archibald Christie, de quem adota o sobrenome.
Em 1917, desafiada pela irmã Madge a criar uma trama policial, escreve seu primeiro livro, "O Misterioso Caso de Styles", em que o detetive belga, Hercule Poirot, aparece pela primeira vez. O livro só foi publicado em 1920. Escreveu outros livros, mas foi em 1926, com "O Assassinato de Roger Ackroyd", que ficou famosa. Depois que seu marido revelou que queria se separar, Agatha desaparece e só é encontrada depois de 11 dias. Algumas pessoas afirmavam que o desaparecimento foi uma trama para vender mais livros.
Em 1930, já divorciada, casa-se com o arqueólogo Max Mallowan e com ele viaja pelo Oriente, onde se inspira para escrever vários livros entre eles "Assassinato no Expresso do Oriente" (1934), "Morte na Mesopotâmia" (1936), "Morte no Nilo" (1937) e "Aventura em Bagdá" (1951).
Seu personagem mais constante, o detetive Hercule Poirot, aparece em 33 livros. Outro personagem conhecido é a curiosa Miss Marple, inspirada em sua avó. A peça "A Ratoeira" (1951) é a mais popular de Agatha Christie, encenada mais de 13 mil vezes na Inglaterra. Alguns de seus livros foram adaptados para o cinema, televisão e teatro.

Agatha Mary Clarissa Miller faleceu em Wallingford, Inglaterra, de pneumonia, no dia 12 de janeiro de 1976.

CHEIRINHOS
RUDY


8 comentários:

  1. Para começar, ainda não tinha notado a figura feminina logo a baixo.
    Adoro enredos baseados em investigações pois eles me prendem demais só quero soltá-los quando termino.
    Acho incrível quando a autora consegue nos fisgar desse modo,
    fazendo com todos os pontos se liguem e que nada que acontece é por acaso.
    Em breve vou estar conferindo algum livro dela, tenho uma amiga que já leu os livros dela e adorou.

    ResponderExcluir
  2. Agata sempre esteve na lista de leituras que quero fazer, mas juro nunca consegui pegar um livro dela emprestado pra ler! Aiai Rudy, a lista é tão longa ushauhsuah Espero ler em breve, de verdade! Adoro essa pegada investigativa e afins <3

    ResponderExcluir
  3. Até o ensino médio, eu nunca havia pegado um livro da Agatha pra ler.
    Que me presenteou com u foi meu professor de História.
    Simplesmente apaixonei. Essa mulher era genial. Não é à toa que é tbm conhecida como rainha do suspense.

    ResponderExcluir
  4. Li quatro livros da Agatha e simplesmente me apaixonei pela escrita e engenhosidade dela, Adorei!
    Vou querer conferir Morte no Nilo sem falta. Parece ótimo!
    E essas novas edições são lindíssimas!
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Já li muitos livros da Agatha, mas também já faz muito tempo que li e todos os que li simplesmente não conseguia parar de ler, eu adoro livros policiais e que envolve misterios!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Já tinha ouvido fala sobre essa escritora, sempre ouço fala que ela e uma mulher incrivel e seus livros são maravilhosos e quero obter uma oportunidade de conhecer a escrita dessa autora maravilhosa.

    ResponderExcluir
  7. Oi.
    Primeiramente, parabéns por essa resenha excelente!
    Também teve uma época que eu lia muitos livros da autora e sempre ficava encantada com os enredos e seus mistérios bem desenvolvidos. Agora já faz um tempo que não tenho lido nada, pois sempre são tantas leituras a espera. Mas sempre é um prazer ler livros da Agatha Christie!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Realmente os livros de Ágatha Christie conseguem inserir o leitor em suas páginas. Eu já fiz releituras de livros que gostei muito, e sempre é uma experiência diferente. Esse livro ainda não li.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir

Adoro ler seus comentários, portanto falem o que pensam sem ofensas e assim que puder, retribuirei a visita e/ou responderei aqui seu comentário.
Obrigada!!
cheirinhos
Rudy